Variedades

Exposição do Hitchcock em São Paulo

O suspense pode estar mais perto do que você imagina. =O

Dias atrás, tive a honra de conferir uma exposição com uma atmosfera bem diferente comparada às que eu já presenciei. Alguém aqui já ouviu falar do mestre do suspense, Alfred Hitchcock? Acredito que sim, né.

Confesso que nunca fui uma pessoa fissurada neste gênero de cinema, mas não posso negar que as obras deste cineasta são sensacionais, tendo em vista a maneira como este explora os acontecimentos que, digam-se de passagem, são comuns quando colocados na balança com filmes fantasiosos de suspense e terror dos tempos atuais.

A partir da atmosfera e personalidade de Hitchcock, o Museu da Imagem e do Som de São Paulo (nosso querido MIS) apresenta a exposição “Hitchcock – Bastidores do Suspense”. Concebida e desenvolvida pelo próprio museu, a mostra inaugurou no dia 13 de julho deste ano e conta com curadoria de André Sturm, cineasta e ex-diretor do MIS.

A exposição busca traçar um panorama da vida e obra desse diretor de cinema por meio de uma expografia imersiva e interativa, que tem como conceito levar o visitante a um set de filmagem.

Através da longa filmografia de Hitchcock, o público pode conhecer os diversos aspectos e elementos que tornaram suas obras audiovisuais grandes sucessos e de inquestionável vanguardismo técnico e artístico, tais como Psicose, Janela Indiscreta, Os Pássaros, entre outros.

O mais legal é a reprodução realista do famoso sobrado, onde ocorre boa parte do filme Psicose.

Hitchcock se ocupava de todas as etapas e processos de seus filmes, desde o argumento inicial ou pré-roteiro até a finalização e edição dos filmes, passando pela direção de arte, direção de fotografia e até indicação de como seria o design do pôster e seu plano de divulgação. Um ponto interessante é que ele sempre gostava de aparecer em seus próprios filmes, mesmo que em poucos minutos; ou seja, pode-se dizer que até papel de figuração este profissional fazia. Bacana, né?

Este domínio pleno e controle de todas as etapas da feitura de seus filmes estão presentes na mostra, que apresenta ao público um cineasta completo e preocupado com cada detalhe de suas produções.

A exposição conta com itens originais de instituições internacionais como o Acervo Marc Wanamaker | Bison Archives (Hollywood, California/EUA) e a Biblioteca Margaret Herrick, de Los Angeles, detentora do acervo da  Academy of Motion Pictures and Sciences (responsável pela entrega dos prêmios Oscar).

A biblioteca conta com uma grande coleção pessoal de fotos e manuscritos de Alfred Hitchcock, doados pela única filha do cineasta, Patrícia Hitchcock, e por sua neta, Tere O’Connell Nickel. O museu também garimpou peças em acervos pessoais como do pesquisador Carlos Primati, e de instituições como a CEDOC TV Cultura, Timothy Hughes Rare Newspapers e Acervo Walter Reuben.

Entre os itens selecionados pela curadoria estão fotos, manuscritos, storyboards, croquis de figurinos, cartazes e materiais de divulgação dos filmes, como kits de imprensa e lobby cards (fotos de porta de cinema ou cartazetes), matérias de jornais e revistas e diversos outros elementos, além de material audiovisual, como, por exemplo, trechos de filmes do início da carreira do diretor.

Por trabalhar com moda, posso dizer que fiquei impressionado com os croquis. Eles eram perfeitos e feitos sob medida para cada musa que estrelava o filme, como Grace Kelly, Tippi Hedren, Ingrid Bergman, Janet Leigh e Vera Miles.

Sobre Alfred Hitchcock

Alfred Hitchcock (1899-1980) foi um diretor, produtor e roteirista britânico cuja carreira cinematográfica durou de 1919 a 1976. Depois de mais de uma década como um dos principais diretores na Inglaterra, Hitchcock emigrou para os Estados Unidos em 1939. Na década de 1940, fez filmes como A sombra de uma dúvida/Shadow of a doubt (1943) e Quando fala o coração/Spellbound (1946), e na década de 1950 dirigiu, entre outros, Pacto sinistro/Strangers on a train (1951), Janela indiscreta/Rear window (1954), Um corpo que cai/Vertigo (1958) e Intriga internacional/North by Northwest (1959). Hitchcock teve seu maior sucesso comercial com Psicose/Psycho (1960) e depois mudou-se para a Universal pelo resto de sua carreira, dirigindo filmes como Os pássaros/The Birds (1963) e Frenesi/Frenzy (1972). Hitchcock foi indicado pela Academia cinco vezes na categoria de Direção.

Serviço

Para você que gosta dos filmes deste mestre ou para quem se habilita a conhecer a trajetória dele, vale muito a pena conferir a exposição Hitchcock – Bastidores do suspense que vai até o dia 21/10/2018.

O MIS fica em São Paulo, na Av. Europa, 158, e a exposição está aberta de 3ª a Sab., 10h/22h (acesso até às 20h), dom. e fer., 09h/20h (acesso até às 18h).

Valor do ingresso: R$ 6,00 (meia-entrada) e R$ 12,00 (inteira).

Contato: (11) 2117-4777

Site: http://www.mis-sp.org.br/

Agradeço de coração ao coordenador operacional do MIS, Lucas Ribeiro, pelo convite. Tudo estava perfeito, como sempre!

Referências:

http://www.mis-sp.org.br/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Alfred_Hitchcock

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply